8 Comments

  • Tamires disse:

    Gostei do seu post. Sempre achei desnecessário furar a orelha de bebês. Na minha opinião, é fazer a criança sentir dor por uma frivolidade dos pais.

  • Taniele disse:

    Parabéns pela decisão. Aliás, essa decisão pode ser dela, quando ela manifestar a vontade.

  • Maroá disse:

    Furei a orelha da Valentina com um acupunturista aos 45 dias de vida. Me arrependo. A algumas semanas ela vinha tirando o brinco e colocando na boca, tirei o brinco e sentenciei: Ou para de colocar na boca ou não coloco mais brinco!

    Outro dia perguntei e ela disse que não quer colocar. Está sem brinco! Seja como ela quiser 😉

  • Gabi Miranda disse:

    Ainnnn…
    Furei as orelhas da Stella com um mês. A pediatra dela, que segue a linha homeopata, falou para fazer só a partir do 6º mês. Mas como eu ia aguentar tudo isso? Talvez tenha sido um pouco egoísta. Tanto que só pensei o seguinte: minha mãe fez em mim na maternidade, eu morro de medo de fazer furos então quanto antes fazer nela melhor, estava louca para usar os brincos de ouro que tinha sido presente da minha mãe pra mim, em seu último Natal com a gente (rimos feito criança qd abri e percebi que era um par de brincos de bebê e minha mãe disse: ah, então guarda para usar na sua filha).
    Nem cheguei a pesquisar sobre o assunto, pois sabia que encontraria informações como essas no seu post e aí eu não faria. Mas agora lendo o seu post, não tenho nem arrependimento, pois além desses cuidados ao final, procuramos uma clínica, a profissional foi até a nossa casa e foi tudo muito hiper tranquilo, a Stella sequer chorou. Ela primeiro usou o brinco usado para o furo e em seu batizado trocamos para o brinco presente da avó que até hoje não consegui trocar rs. Ela já tem um de pérola tb. Enfim, adorei seu post, acho que não escrevi sobre o processo do furo da Stella lá no Bossa Mãe….acho que vou escrever e indicar o seu como inspiração. 🙂
    Seu blog tá lindo, Mari, como você e sua família.
    um beijo
    Gabi
    Bossa Mãe

  • Karen disse:

    Tenho uma bebê de 1 mês e a decisão de não furar foi tomada muito naturalmente por mim e pelo marido ainda na gravidez.
    Tenho vários piercings e tatuagens e os acho tão meus, tão individuais que a gente só se deu conta de que era uma pauta quando a família perguntou.
    Vou deixá-la decidir, quando eu conseguir explicar o processo. Se ela tiver disposta que fala.
    Mas nesse caminho de questionamentos a única coisa que me irrita é gente que fala que tem que fazer cedo pq não doi. Parece que a criança é dormente! As pessoas tem uma super pena de dar vacina e não de furar a orelha, não dá pra entender.

    • petitninos disse:

      E tem que ser natural mesmo! Pra mim tb foi…não me sinto bem quando penso em furar, seria por pura pressão, não por ideal, então…nada de furos ainda!! bjo

  • savingplaza disse:

    Oi Amanda, que bacana ler seu depoimento! É incrível como em pouco tempo mudamos tanto de opinião, não é mesmo? Olha aí você entre Psicologia, Biologia e optando enfim por Publicidade! Que bom que você teve a oportunidade de refletir um pouco e de fazer testes e conversar com pessoas bacanas, tenho certeza que esse tipo de interação lhe ajudou a sentir hoje que fez a escolha certa!

  • Thamy Simões disse:

    Te seguindo em 3, 2, 1…
    Amei seu post me identifiquei super com você.
    Minha bebê completou 1 ano na última quinta-feira, e ainda não tirei a orelhinha dela, uma amiga comentou que se furasse seria interessante procurar um acumputurista.
    Beijos,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *