Eu fui , ela ficou!

 

Se me contassem há 15 anos atrás que eu teria algum problema em passar uma noite fora de casa por causa de um filho, com certeza não acreditaria!

Mas eu tive muitos problemas – auto sabotagem – nesses 20 meses depois do nascimento da Mel. Não consegui simplesmente deixá-la, nem mesmo por algumas horas.

Muito dessa nossa conexão eu atribuo à amamentação mas, no fundo, sei que não está aí a culpa disso não. Eu mesma já amamentei outras duas vezes e me senti muito mais livre.

Não que dessa vez me sinta presa, mesmo sendo, eu gosto de como nossos meses foram até hoje, da minha dedicação total, misturada aos cuidados da casa e do meu trabalho em home office. Não tem nada de fácil ou romântico nessas tarefas mas mesmo assim, eu sempre quis minha rotina dessa maneira e sou sim grata pela bagunça/correria nossa de todo dia. A gente funciona nesse caos.

O que acontece é que somos uma mãe diferente a cada viagem, é assim que consigo explicar as minhas mudanças a cada bebê. Uma mãe para cada bebê. Nessa terceira vez meu tempo para me sentir livre demorou muito mais.

Nessa correria toda Mel é minha companheira, anda pra baixo e pra cima pendurada – literalmente – em mim. Até umas semanas atrás, todos os compromissos longe de casa que assumi incluíam a pequena mas eu sabia que uma hora seria necessário e  benéfico para nós uma separação.

Eu já havia tentado deixá-la um final de semana com a minha mãe mas na hora “H” acabei pegando o carro e indo amamentá-la pois na ocasião, estávamos hospedados em um hotel próxima da casa dela, então eu nem conta essa vez como nossa primeira separação.

Mas Marina, qual é o seu problema ? Mel não toma outro leite ainda?

Toma, ela aceita alguns poucos mililitros em uma marca de mamadeira específica. Ela também já come de tudo como é de se esperar pela idade e  não morreria de fome. Já demos início ao desmame noturno gentil,ou seja, leia-se DEVAGAR no lugar de gentil e o termo auto explica-se.

Nosso esquema da noite anda assim: Ela toma banho e mama uma mamadeira de fórmula ( às vezes só um pouco, às vezes tudo…depende do dia) assistindo algo deitada na minha cama. Ficamos por ali por meia hora até os sinais de sono aparecerem e daí ela pede um pouco de peito. Na sequencia ela segue para o berço acordada e lá adormece por volta das 21hs.

Raramente ela dorme batido até a mamada da madrugada, por volta das 4 da manhã. Normalmente ela acorda duas vezes. Nessas vezes Bruno ou eu vamos até o berço, falamos que está de noite e ela volta a dormir sendo ninada no colo ou no berço como já aconteceu em algumas noites abençoadas.

Então, como anda nossa rotina, para que eu ficasse fora por uma noite Bruno teria que travar a batalha da mamada das 4hs, porque essa eu ainda não consegui vencer pois ela não aceita nessa hora outra coisa que não seja peito e acabo sendo derrotada por meu cansaço, costumo carregá-la pra minha cama. Podem imaginar que depois de tantos meses de privação de sono e com os dias corridos, nesse horário eu não respondo por mim, não sei o que é certo, errado e muito menos sou capaz de seguir minhas próprias regras. Não sei nem responder meu nome!

Fui convidada para estar no 3º Seminário Internacional de Mães e mesmo estando muito feliz com as possibilidades e tudo o que esse convite representou profissionalmente eu cogitei me sabotar, arrumar desculpa, rezar por uma gripe ou qualquer coisa que decidisse por mim ficar em casa.

Sabia que teria que passar uma noite fora pois passaria um dia em coletivas de imprensa e na manhã seguinte teria que estar no seminário muito cedo.

Me enchi de coragem, recebi um convite para ir com amigas ( Aninha, Thalita e Marina … se vocês soubessem como foi importante estar com vocês!!! Vocês nem imaginam!) para São Paulo, fui.

PS>: aquela agarrada básica nas pernas da mãe na saída, só pra fazer a pobre sair com a cara inchada de chorar! ai ai ai…

Passei o dia entre amigas e bate papos, falamos sim de filhos mas quer saber? Passei o dia muito bem, desconectada e focada no trabalho e nas conversas leves de quem assim como eu, estava tirando umas horas “OFF” da função de mãe, ironicamente nos bastidores de um seminário para mães.

Ok que eu chorei um pouquinho de saudade enquanto gravávamos um vídeo…ok! Ok que eu não preguei o olho depois que todas dormiram … Ok! Ok que tive medo de saber como havia sido a noite …ok!

Mas olha, todos nós sobrevivemos! Ela acordou muito menos, despertou às 3hs e aceitou uma mamadeira depois de chorar meia hora e entender que eu não estava lá. Mamou e dormiu direto até às 8hs coisa que nunca tinha acontecido. Nada disso nunca tinha acontecido.

Nossa separação foi positiva e merecida!

Mas e aí, Marininha, vai repetir?

Opa…se vou! E ainda vou te deixar alguns conselhos caso esteja passando por isso, caso esteja no mesmo ponto que eu estava, achando que o mundo pára quando não estamos ao lado do bebê.

Vou te deixar alguns conselhos porque sou bem abusada, em uma escapa já estou me sentindo bem livre outra vez! Abri o precedente minha gente! Então, se você está prestes a precisar se separar por uma ou mais noites do seu bebê:

 

  • Converse muito antes do momento com o seu bebê. Explique que ficará longe, que levará o mama – se você também amamenta – e conte exatamente como funcionará, quantos dias serão e com quem ele ficará, fale que confia nessa pessoa que cuidará dele. Bebês entendem absolutamente tudo, pode acreditar!

 

  • Procure estrear nessa situação com amigas, talvez o seu marido não seja a melhor companhia durante essa separação pois vocês possuem o mesmo foco, o bebê que ficou em casa. Além disso pode ser mais fácil pro bebê se separar de um dos pais de cada vez, pode ser só um palpite mas acho que o sucesso veio do fato de o papai ter conversado bastante com ela durante minha ausência.

 

  • Foque no presente. Você saiu de casa gata, não carregue as angustias com você, segura a onda e finja costume de estar só! Aproveite para caprichar na make sem ninguém enroscado nas pernas, para relaxar e aproveitar esses momentos com você mesma.

 

  • Você não estará com o seu bebê então não tente controlar tudo à distancia, deixe e confie nas mãos em que ele ficou. Tá com pai/avó/tios …tá com Deus! Se você não desapegar, vai pirar.

Então…e por falar em deixar nas mãos de quem está cuidando, olha que maravilha que o Bruno conseguiu fazer:

deu chupeta pro bebê que nunca aceitou … e ainda fez essa foto, no corredor de cervejas do supermercado. Olha, pai definitivamente não é mãe não! hehehe

Brincadeiras à parte, todos os meus agradecimentos ao papai maravilhoso que temos em casa, segurou muito bem a barra da casa e dos três. Enfrentou o dia com eles, a madrugada com a pequena e ainda levou e buscou a mais velha na balada. Mesmo me considerando uma supermãe, preciso admitir, ele faz tudo igual ou até melhor do eu!

É isso amores, a vida anda e continua, mesmo quando não estamos lá e voltar pra casa e ser recebida com um abraço, peitos cheios e um ” qué mamá” é maravilhoso! Vamos repetir quando achar que a hora chegou novamente porque se tem uma coisa que aprendi sendo mãe é: Respeito! Não só às escolhas mas também ao tempo de cada um.

 

blogpetitninos

 

Amamentação : Minhas experiências e dicas de produtos legais!

 

minha experiencia com amamentação

 

Nada na maternidade é ” só flores” , sem dúvida isso fica bem claro quando chega a hora da amamentação.

Nutrir um bebê com todo aquele chamego e cumplicidade é sim um estado sublime, é coisa de Deus, é maravilhoso mas, até alcançar esse período tem muito chão pela frente, muita insistência e perseverança, muito cansaço e dor. Não é fácil para todo mundo.

Eu tive 3 experiências com a amamentação e a primeira foi a mais fácil, por incrível que pareça. Apesar da minha inexperiência, não tive praticamente dores nos seios, me preparei com as indicações do médico da época para melhorar o bico e tomei sol no seio. Fiz tudo como me ensinaram na época e sem reclamar. Foi muito natural para mim, eu queria muito amamentar e tirando o cansaço e as cólicas do início  ( a sucção do bebê provoca contrações que ajudam o útero a diminuir), foi tudo perfeito.

Quando amamentei o Theo já percebi as diferenças na primeira semana, havia e preparado da mesma maneira e ainda utilizados outros produtos, tudo mais moderno e atualizado e esperando que as próteses mamárias que eu  havia colocado 2 anos antes, não nos “atrapalhassem”.

Acontece que cada bebê é único e Theo tinha muita fome, mamava maior quantidade e por mais tempo, com mais força. No décimo dia meu peito estava super dolorido, todo machucado com fissuras que sangravam. Precisei de uma película de silicone, para proteger o seio e continuar alimentando meu bebê. Quase desisti, por mim e por ele. Depois do primeiro mês as coisas foram se ajeitando, fomos nos entendendo. Apesar do cansaço estava tudo caminhando para o final feliz quando fui surpreendida com uma mastite. Eu não conhecia os sinais e muito menos os motivos, fiz tudo igual com a Babi… recebi o diagnóstico achando tudo muito injusto.

Mastite é uma coisa que não desejo nem prazinimiga! Eita coisa que dói! Tudo começou com uma febre alta e indisposição, muitos calafrios, achei que havia pegado uma forte gripe e no segundo dia percebi a mama direita bem avermelhada e um tanto inchada. Foi aí que procurei ajuda.

Com a Amelie, repeti os mesmos rituais de preparação, anos depois, me equipei com produtos mais modernos, estava de olho na produção para evitar outra mastite. Quando se é mãe de tantas viagens, você tem a sensação de que controla o mundo, né? Dai, chega  um dia e cai na sua testa tudo o que você – no caso eu – falou por aí.

Mesmo com uma bomba elétrica supermoderna e toda minha experiência, lá veio a mastite querendo me atacar! As mastites não tem nada a ver com o fato de eu ter as próteses me afirmou meu médico. Caso alguém se interesse em saber mais sobre os dois episódios que tive, escreva pra mim que prometo contar mais, não quero alongar muito esse post.

O foco desse post é para contar que, independente da sua experiência, conhecimento e tudo mais, a amamentação é uma caixinha de surpresas e informação e preparação, além de resistência e perseverança se fazem necessárias. Para algumas mulheres, será natural e simples e para outras o processo pode ser bem doloroso e cheio de obstáculos. Mesmo a mulher sendo a mesma  – olha meu caso aí – dependendo de cada bebê a situação muda, é uma combinação de fatores.

Amamentar é sim lindo demais e eu incentivo  todo mundo a insistir, não desistir e fazer perdurar pelo maior tempo possível para o bem do bebê, mas sempre afirmo que amamentar é uma entrega bem grande, tem que estar muito bom para a mulher também. Lembre-se sempre de que mãe feliz, bebê feliz!

Não caia na história de que o leite é pouco, o leite é fraco ou nos conselhos para complementar para que o bebê atinja o peso ideal da tabela, aliás, cuidado com tabelas!!! abra o olho, nem sempre o que está determinado de peso lá é o ideal para seu filho, converse sempre com seu pediatra, pesquise, questione!

E para finalizar, listei nesse vídeo alguns produtos legais que testei nessa fase da amamentação da Mel, já vamos completar 1 ano de livre demanda felizes da vida!!

Nada do que está nessa lista é absolutamente indispensável porém, tudo que separei para compartilhar com vocês foi muito útil para mim e eu não abro mão de produtos que facilitem minha vida, então achei legal mostrar para todo.

Se você gostou do vídeo, não esqueça de deixar seu like lá no Youtube, comente se tiver dúvidas ou quiser compartilhar sua experiência!! Sempre muito bom termos espaços para dividir nossas experiências, seja ela boa ou ruim, sempre podemos auxiliar alguém! Ah, e se inscreva no canal! Estamos entrando em uma nova fase por lá e logo logo novidades bem legais chegarão!!

 

beijo,

favicon blog petit ninos

Sobre amamentar …

 

24

Não é como mágica, o início da amamentação é um verdadeiro desafio.

O bebê precisa de muitos cuidados, a rotina da família vai pro espaço, em geral tudo fica uma bagunça. Ainda estamos passando pelo pós-parto, seja uma cesárea ou um parto normal, serão semanas delicadas, cheias de altos e baixos.

A grande verdade é que além de fatores emocionais, temos que enfrentar dores. Acho que até a mulher mais preparada do mundo para amamentar – psicológica e fisicamente – passará por desconfortos no início. Mesmo que o bebê aprenda rápido a pega perfeita, vai doer amiga!

Sem querer assustar, as dores do pós-parto não são nada perto do início da amamentação.

Penso que é a força da seleção natural dizendo pra nova mãe: Passe por isso, alimente seu filho, o permita crescer e assim você estará apta a passar a suportar a adolescência! kkkk ( Rá … mães de adolescentes entenderão! )

Ok, vamos encarar esse período tão difícil com humor, né? Se ficarmos presas somente às dificuldades desse início do bebê em casa, o fardo ficará duro demais!

 

amamentação

A vida com um recém nascido é maravilhosa ! Poder alimentar um filho depois de gerá-lo sempre foi minha prioridade, enfrento esses desafios do começo sem pensar em desistir e é por isso que te falo amiga : dói, cansa mas passa!

Com os dias passando tudo vai ficando melhor, mais simples. A gente vai pegando o jeito e o bebê também.

Contando tudo isso não tenho a intenção de assustar ninguém, como já disse, a ideia com essas linhas é te falar a “real” pois quando estamos lá na poltrona no meio da madrugada, com um bebê aprendendo a viver  e sentindo tanta dor ou enfrentando a escassez de leite, enfim, quando estamos passando pelas dificuldades desse período parece que a amamentação não é feita para a gente. Parece que está além das nossas forças. É muito mais simples desistir, pois parece que há mulheres feitas para isso e outras não. Eu entendo isso!

Justamente por ter passado por isso 3 vezes eu entendo quem desiste de prosseguir com a amamentação. Não julgo, me compadeço de mãe e bebê. Há também quem não deseja amamentar, eu também respeito essas escolhas todas. Como em tudo na maternidade, não julgo e ainda acho uma chatice o pensando de que todas deveriam fazer como faço ou vice-versa. O mundo é feito para a diversidade e isso inclui as escolhas, desde que conscientes, ok!

A gente olha por todos os lados e vê imagens lindas de mulheres amamentando sorrindo. Esquecemos que lá no início ( ou por mais tempo quando a mulher não recebe informação suficiente ) fizemos muitas caretas de dor, choramos em muitas mamadas. Com o tempo e informação vai melhorando sim, mesmo que isso pareça algo difícil de imaginar, porque dói amiga!

Por isso, se você está vivendo esse momento, foi te falar que quem hoje amamenta sorrindo já pensou em desistir. Somos feitas para superar esse momento, nem todas têm facilidade, a grande maioria precisou de muita informação, muita força de vontade e superou os limites de dor para seguir alimentando seus bebês.

Mas e aí? E as fotos lindas e os relatos de o quanto é maravilhoso amamentar?

Acredite…os sorrisos e semblantes de paz não são só para as fotos. Mulheres são os bichos mais estranhos do mundo, estamos ali sentindo dores  sim, mas ao mesmo tempo estamos com o coração repleto de amor e gratidão por ter o privilégio de nutrir nosso frutos.

Amamentar é lindo, é natural e pode ser dolorido no início!

Vou escrever ainda essa semana um post com algumas dicas que me ajudaram muito nas minhas três experiências, o que funcionou para mim.

um beijo

favicon blog petit ninos

 

 

Baby Corner – O bebê no mesmo quarto dos pais

 

berço de bebê compacto

É enorme a alegria em poder dividir  com vocês um pouquinho do nosso cantinho!

A Baby Amelie irá compartilhar o quarto com o Theo como já falei aqui antes, mas isso só acontecerá mais pra frente.

Assim que nascer quero ela ao meu lado para que nossa amamentação em livre demanda seja mais confortável. Eu não tive nenhuma dificuldade com a a amamentação das crianças e tenho certeza que a terceirinha terá a mesma sorte. Só achei desgastante o início pois insisti em deixá-los em seus berços logo no início. Ok, nunca é tarde para mudar de ideia, não é mesmo ?

Ah e se eu pudesse te dar um conselho especial nessa Semana Mundial do Aleitamento Materno seria: SIM, encare a livre demanda e deixa as convenções de lado, bebês nos quartos dos pais no início da vida não irão criar dependências!!

Já mostrei nesse post aqui algumas ideias para decorar um cantinho charmoso para o bebê no quarto dos pais e seja por conveniência ou falta de espaço lá tem inspirações muito bacanas para você que também quer montar um cantinho fofo para seu baby no seu quarto!!

Vamos descomplicar, certo?

Nesse post para Disney Babble Brasil contei um pouco sobre essa nossa escolha e ainda tem vídeo com o mini tour pelo nosso quarto!

Se Amelie resolver se apressar ( estamos com 34 semanas …faltam pelo menos mais 4 semanas!) já estamos preparados para recebe-la ! <3

E então, gostaram ?

onde encontrar:

Berço/ Moisés: Zara Home

Almofada Amamentação :Atelier Pilulito

Abajur: TokStok

Guirlanda/flag/almofadas no berço: Meline Petit

Manta/almofada Chevron: Zazzle

favicon blog petit ninos

poltronas para amamentação

A ideia é inovar sempre e a cada bebê o mercado muda muito, as revistas ,sites e blogs de decoração estão sempre recheados de novidades lindas!

É ou não é para pirar com tanto produto lindo para os pequenos e futuras mamães?

Hoje escolhi mostrar uma seleção das poltronas para amamentação mais bacanas que encontrei disponíveis. Não são poltronas “para” amamentar, mas se prestam muito bem a esse papel, além de conferir beleza, leveza e design ao quartinho do bebê.

A principal dica na hora de escolher uma cadeira para amamentar é o conforto. Precisa ser anatômica e ter apoio para os braços, além de um tamanho bacana.

poltrona amamentação oppa

O modelo Caju na cor crú é super clean, da Oppa.

poltrona amamentação tok stok

Adoro os móveis da Tok&Stok e essa cadeira me lembrou “casa de vó”! Confortável e eficiente. Modelo Bossa Nova,

 

poltrona amamentação mobly

Aliás, conforto não falta nesse modelo lindo, Montreal,disponível ( e com preço legal) na Mobly.

poltrona amamentação giratória oppa

Os modelos giratórias podem ser super funcionais no dia a dia. Essa é a poltrona Girassol da Oppa.

poltrona amamentação balanço tok stok

Sou apaixonada por cadeiras de balanço, esse modelo tem sido muito usado pelas revistas, acho lindo…quanto ao conforto não sei se seria a minha escolha, mas colocando uma manta para enfeitar e deixar o modelo mais macio, pode funcionar! Essa é o modelo Eames Wood da Tok&Stok.

Melim-Poltrona-Luiz-Xv--CourC3ADssimo-Branco-Melim-Design-6547-178931-1-zoom

 

E para quem gosta de coração mais rebuscada que tal esse modelo Luiz XV da Mobly? Amei!

 

Acabei escolhendo na primeira vez uma poltrona dessas tradicionais para amamentar, com a banqueta e tals. Ela foi reaproveitada para o segundo bebê e renovada com uma capa linda, cumpriu bem seu papel mas se fosse hoje, teria investido em um modelo mais clean e moderno que pode ser utilizado em outro cantinho da casa depois e assim ser usado por muitos anos!!

 

favicon novo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...