ideias para aproveitar as sonecas do seu bebê!

dicas para aproveitar a soneca do bebe

Ah gente! Tenho certeza que vocês já viveram a seguinte situação:

O bebê pega no sono, em qualquer hora que seja, você se sente leve, relaxada e animada, começa a se imaginar fazendo milhões de coisas durante esse período. Coisas para você como um banho longo, secar os cabelos com o secador ou quem sabe até fazer as unhas que estão judiadas , né?

Bom, daí você se lembra da roupa toda pra lavar, a louça na pia…quem sabe não sobra também um tempo para deixar a casa em ordem, talvez até comer algo…quente, já que tem dias que a comida esfria esperando por uma folga sua. Opa, mas ele costuma dormir bastante nesse horário, passa então pela cabeça também conferir as redes sociais, responder uns emails e assistir ao primeiro capítulo daquela série que tá todo mundo falando no momento. Pronto…

Enquanto todas as possibilidades passeavam pela sua cabeça o que aconteceu? O tempo passou voando e o bebê acordou!

Me conta se não é assim também por aí?

Já perdi as contas de quanto tempo deixei de otimizar por simplesmente não planejar nada previamente.

Fato é que há muitas coisas que fazem parte da rotina da nossa vida mas que não podem ser realizadas – pelo menos não com calma e tranquilidade – enquanto os pequenos estão acordados.

Muitas tarefas de casa, por exemplo, são beeem mais complicadas de serem feitas quando o bebê precisa de colo, de atenção ou supervisão. A menos que você curta viver a vida com emoção e perigosamente, acho que organizando um pouco as coisas é possível fazer um pouco de tudo e ainda com uma certa calma.

Gravei aqui como funciona por aqui, na nossa vida, como aproveitamos esses tempos em que Mel está dormindo.

 

Esse vídeo foi gravado no final do ano passado quando a pequena ainda não ia para a escola. Hoje em dia, corro contra o relógio para realizar todas as tarefas da casa e trabalho, além dos cuidados comigo durante o tempo em que ela está fora. Assim, quando ela está de volta o tempo que sobra é para brincarmos, passearmos, colocarmos o papo em dia!

Ah gente, preciso dizer mais uma coisa, para você que está aí com um baby pequeno e uma casa para tocar, está se sentindo abandonada e esmagada pelo dia a dia: Ele vai crescer, vai sair do ninho.

Não se desespere! Vai dar até saudade, garanto! Se organize e viva um dia de cada vez dentro da sua realidade, crie o melhor cenário possível, a vida da gente é só nossa mesmo, não se compare.

 

ps.: Se inscreva no canal, curta sempre que puder os vídeo pois isso é muito importante para o meu trabalho e para me direcionar na criação dos próximos vídeos, ok??

 

blogpetitninos

Alimentos saudáveis que devem ser evitados no primeiro ano de vida do bebê

frutas que podem causar alergias

 

Por serem altamente alergênicos, alguns alimentos que fazem muito bem à nossa saúde devem ser evitados no primeiro ano de vida.

Você sabia disso?

Conversando com uma amiga outro dia, ela me contou que o bebê dela teve uma forte reação alérgica depois de ter comido um kiwi, isso quando estava com menos de 1 ano de idade.
Fiquei assustada pois na lista de frutas indicadas pelo meu pediatra não havia o kiwi mas não havia também nenhuma menção sobre não dar e suas possíveis reações.

A Amelie já havia consumido sem problemas, aliás ela acabou consumindo muita coisa que não seria ideal para idade pois sendo a caçula e com os irmão bem mais velhos, é muito difícil de controlar o que fica ao seu alcance e muitas vezes fugiu ao meu controle essa questão.
Achei importante falar sobre esse assunto com a pediatra das crianças pois como eu também não imaginava ( mesmo tendo 3 filhos! ) algumas frutas cítricas podem causar reações alérgicas nos bebês, principalmente antes dos 12 meses de vida que não tem seu sistema imunológico fortalecido.

Conversamos sobre uma lista de frutas que são indicadas a serem evitadas no primeiro ano de vida do bebê mas claro, nem todos os bebês irão apresentar alergia caso consuma algum desses itens, mas como são muitos relatos bom não correr o risco.

Morangos já são contra indicados por conter muito agrotóxico além de ser cítrico e se juntam à lista do que devemos evitar nesse início da introdução alimentar por se tratarem de frutas que são mais propensas a causar alergia: kiwi, amoras, melão e abacaxi.

O Mel não é um vilão mas pode ser perigoso para os bebês , acontece que pode estar contaminado com a bactéria responsável pelo botulismo portanto deve ser evitado. O mesmo vale para qualquer prato com ovos e peixes crus.

E por falar em peixes, o que vem do mar também pode causar alergias, então camarões, mexilhões entre outros frutos do mar devem ser evitados nesse início.

Lembre-se sempre, é fundamental consultar o pediatra, questionar e tirar todas as suas dúvidas e o ideal é ter um acompanhamento também de um nutricionista pois esse profissional poderá indicar os caminhos com mais propriedade.

(imagem: shutterstock)

blogpetitninos

Desmame da Mel

amamentação prolongada e desmame

Se eu dissesse que foi fácil, estaria mentindo.

Fácil mesmo é a gente se perder durante o processo do desmame após a amamentação prolongada. Eu queria e não queria que essa hora chegasse. Sabia que precisava mas não aceitava, estava cansada e confusa. Também estava bem feliz pois alcancei minhas metas com relação ao aleitamento materno: Mel mamou exclusivo até mais de 6 meses ( só começamos a introdução alimentar no final do sétimo mês ) e seguimos com a amamentação até após o primeiro ano. O que veio depois não estava nos planos mas foi gratificante e intenso, preciso lembrar que não são só flores mas também há muitos, muitos, muitos momentos especiais nessa caminhada.

Já passei por desmames antes mas me senti ” na estaca zero” novamente pois cada bebê é um, e eu também sou uma mãe para cada um deles. É bem fácil ficar confusa quando esses grandes marcos chegam na vida dos bebês, sem falar que tudo parece bem mais complicado quando estamos cansadas.

Começamos pelo processo do desmame noturno ( tem vídeo aqui ) mas até isso foi complicado. Eu parei e voltei muitas vezes, cedi ao cansaço e ao choro incessante. É bem normal e diria até que faz parte do processo.

Queria que o desmame da Mel fosse gradual, sem traumas e gentil, disso eu tinha certeza. Busquei ler e assistir a muitos vídeos, conversei com amigas e profissionais. Acontece que nem tudo que funciona para uma amiga.prima.tia.parente vai funcionar com a gente.  Isso é a mais pura das verdades, por isso, gosto de me aprofundar, ouvir várias opiniões e saber de muitos casos. Assim, a chance de encontrar algo se adeque a nossa rotina deve ser maior, não?

O meu perfil no Instagram ( @blogpetitninos , me segue lá!) foi um instrumento valioso para essa troca de experiências, foi tanta ajuda, uma troca super rica que me uniu à outras mulheres nessa mesma fase, aliás, já havia nos unido desde as noites em claro enquanto os bebês ainda mamavam. Vocês sabem quem são, vou sempre lembrar com amor desse período!

Foi pelo Instagram que comecei dividindo meus medos e convicções , falhas e acertos e recebi muito apoio.

amamentação prolongada e desmame

Me lembro bem do dia que eu decidi que era nossa hora de parar. Mel já se alimentava muito bem mas mesmo assim queria o peito toda.hora.todo.momento.instante.segundo em que algo na vida dela dava errado. Caiu uma folha da árvore, o meu peito era o consolo. Estava absolutamente exausta, sentindo que ela não comia entre as refeições pois vivia pendurada no peito o que, na minha opinião, nos rendia noites em claro, acredito que ela não ingeria o que necessitava pois estava sempre somente atrás do leite nos períodos de lanche.

Minha vida estava um caos, minha casa não estava funcionando. Estava pesando menos de 50kg , quase o meu peso da adolescência. Nem vou falar aqui qual era para vocês não assustarem mas, me sentia – e estava mesmo – sendo sugada! Minha maior questão no desmame era que Mel nunca aceitou nenhuma fórmula ou leite de vaca. Tentamos de tudo, todas as marcas de leite e de mamadeiras. Nada funcionava e isso me deixava agoniada. Nunca deixei de oferecer, mesmo que ela rejeitasse, meu coração dizia que uma hora funcionaria!

Comecei seguindo as dicas de desviar a atenção dela quando ela pedia colo, passei a evitar de me sentar nos lugares onde ela estava acostumada a ser amamentada, comecei a conversar com ela. Explicar que o meu colo ela poderia ter sempre, mas que o peito, já não era mais necessário para ela.

Foi babado, confusão e gritaria no primeiro dia e me senti péssima. Cedi outra vez.

Dias depois decidi retomar e ela pareceu entender melhor. A levava passear na rua quando via que ela queria o peito.

 

Então comecei novamente a distraí-la quando queria mamar, oferecia passeios e brincadeiras nada usuais para as nossas tarde, saia da rotina mesmo e estava sempre com mamadeira e leite à mão nessas saídas.  Ela aceitou meia mamadeira em uma tarde num passeio de carrinho. Vi luz no fim do túnel. Não só pegou o leite como também já não chorava mais embora ainda tentasse puxar a minha blusa em alguns momentos.

Seguimos assim por uns 5 dias e foi quando meu coração apertou. Íamos viajar por 6 dias em poucos dias. As crianças ficariam na casa da minha mãe, isso foi no início de Janeiro. Acho que por acúmulo de leite ( eu estava extraindo o excesso com bombinha elétrica, erroneamente ) somado ao stress de ter que me separar das crianças tive um início de mastite. Coisa mais chata, dolorida que é essa inflamação. É como uma tortura.

Como já tive algumas vezes, sei pegar logo no início. Uma leve vermelhidão na pele, sensibilidade e sintomas parecidos com o início de uma gripe. Soube na mesma hora!

Cogitei o medicamento recomendado para secar o leite, afinal, ninguém precisa de uma mastite em pleno desmame, né?

Por fim recuei e segui alguns conselhos das minhas seguidoras amadas ( obrigada por sempre perderem um tempinho me mandando dicas!) que foi de fazer a ordenha manual do excesso do leite somente no banho, isso evitaria o estímulo à produção que a bombinha causa. Essa técnica aliada ao medicamento para combater a inflamação.

Fomos viajar e eu ainda sentia muita dor, mas fomos. Acho que eu precisava mesmo me afastar da situação, esquecer um pouco o assunto. Meu peito começou a não inchar mais e a doer menos na volta para Vinhedo.

Foram 30 dias para o leite secar total e 5 para derrotar a mastite e na volta Mel nunca mais tocou no assunto peito.

Vez ou outra, quando estamos no banho, faz um carinho e quando percebo que ela está “notando” o “peitinho” já a agarro num abraço,apertado, e digo que meu colo tá sempre aqui pra ela, com leite ou sem leite, tem abraço de sobra.

Acho que senti mais dificuldade dessa vez por vários motivos, agora que estou me analisando. Estava muito apegada a ideia de amamentar prolongadamente que o nosso tempo chegou ao final e foi difícil de digerir que tudo passou tão rápido. Sou resistente à mudanças e estou trabalhando isso em  mim.

Outro ponto foi que juntamos o desmame com a escola, tudo muito perto. Pra mim, esses são os último maiores vínculos físicos que temos com nossos bebês. A primeira separação vem com o nascimento e corte do cordão umbilical mas, em geral, estamos bem preparadas para esse rompimento. A amamentação me reconectou com ela e viver esse processo foi doloroso pois eu já estava antecipando a dor de entregá-la aos cuidados de outras pessoas, com o início da escola.

amamentação prolongada

registrei nossa última mamada… muita emoção!

Já me entendi comigo mesma e sei os motivos de tantas dores de separação ( prometo um post só sobre isso) e o que me ajudou a encontrar respostas foi o mindfulness que já faz parte da minha rotina e tem salvado minha vida, de verdade. Falei mais sobre isso NESSE VÍDEO.

E assim, termina mais um capítulo…Mel crescendo e eu evoluindo junto … como mãe e mulher.

 

blogpetitninos

 

 

 

Seminário Internacional de Mães

seminário internacional de mães

Sempre em que penso sobre ser mãe não consigo desassociar a maternidade de algo com vários pontos de vista. Sem certo ou errado, com muitas possibilidades, algumas melhores que outras. A minha entrega é profunda, visceral e de leve não tem nada. Procuro maneiras de ter mais consciência no processo de criação dos meus filhos. É uma entrega intensa mas que não precisa ser pesada, ela pode ser vivida de maneira mais equilibrada. É isso que busco: equilíbrio.
Conhecer novos pontos de vistas, histórias, análises, trocar experiências e aprender. Esse é meu foco para tornar a minha maneira de maternar, de ser mãe , mais equilibrada. Acredito que essa consciência pela qual busco vai me auxiliar a lidar com todos os  pesos e culpas  que acabam recaindo sobre nossos ombros. Uma tarefa difícil pois a maternidade / paternidade é uma das experiências mais densas e profundas da vida. Não acho que possa ser leve , como já disse, e quero viver a intensidade, acredito que dá pra ser vivida com tranquilidade e amor, com menos comparações e cobranças internas e externas.

Acho que todas nós buscamos por isso, né?

Então, nessa busca, procuro informação. Que tal participar de um encontro de mães foi pensado com amor e carinho, para trocar experiências com empatia. Sabe do que estou falando? A 4ª edição do Seminário Internacional de Mães tá chegando!
Passou voando esse ano e já estamos bem pertinho do quarto Seminário! Não consigo acreditar que está tão pertinho! essa será a terceira edição que participarei e adoraria poder te encontrar por lá, que tal?
Mãe gosta de conversar com mãe, eu adoro encontrar e conhecer novas pessoas. Além das palestras maraaa desse ano, temos a oportunidade de trocar ideias e abraços durante os intervalos. Sério, você precisa viver essa experiência também, é o maior evento de maternidade do país!
seminário internacional de mães

 

Esse ano teremos presenças estreladas Rita Lobo , Roberta e Taís Bento , Lorraine Thomas , Laís Bodanzky, Maria Riberio e Marcio Atalla.
Falei que o time estava cheio de estrelas! Ansiosa para ouvir o que eles tiraram nas palestras, ansiosa! E para saber mais sobre o tema que cada convidado irá abordar, te convido a dar um pulinho no site do seminário: www.seminariodemaes.com.br . Uma oportunidade de fazer as suas escolhas de maneira muito mais consciente no maternar! Aproveita porque tenho um código especial de desconto, 20% OFF usando o código PETITNINOS.

E então, vamos juntas em busca de viver experiências com menos culpa e peso?
Participe do 4º Seminário Internacional de Mães e faça as suas escolhas de maneira muito mais consciente! Aproveita porque tenho um código especial de desconto, 20% OFF usando o código PETITNINOS. A inscrição já pode ser feita pelo site : Seminário Internacional de Mães.

 

seminário internacional de mãe

Quando: Dia 05 /05 / 18
Onde: Maksoud Plaza – São Paulo/SP
Siiiimmmm eu estarei lá junto com o time de bloggers de TopMothers.
Mais informações: www.seminariodemaes.com.br

 

blogpetitninos

tchau fralda, oi bundinha!

desfralde

 

Uma semana antes das aulas começarem iniciamos o treinamento do desfralde por aqui, Mel com 2 anos e 5 meses. Por já ser uma macaca véia de terceira viagem, provavelmente vocês devem pensar: Ahh, vai ser mais moleza!

Na verdade foi fácil mas muito mais porque estava no momento dela, do que por eu já ter vivido isso antes. Todo desfralde envolve basicamente: sujeira, um pouco de choradeira e muuuita paciência. Resumindo, foi isso.

Como nos outros desfraldes que vivi, esse teve disso tudo, os primeiros dois dias eu estava super animada e ela também pois um mês antes desse momento chegar já tratei de deixar no banheiro o redutor com escadas, o penico , né minha gente?

desfralde redutor com escadas tinok

Esse é o Toily da marca Tinok, herança do Theo.

Então para que ela já se familiarizasse com o “equipamento” já deixei por ali, colocamos algumas vezes pra ela ver como se sentia. É muito importante que o penico escolhido seja estável, que não balance e que proporcione contato dos pés, para o número dois isso é fundamental, aliás.

Depois dos primeiros dois dias eu já estava cansada do leva e leva e leva no penico e ela também, a graça já tinha passado e começou a relutar. Tivemos mais escapes na fase dos dias 3 e 4, acredito que pelo cansaço mesmo. Como a natureza é sábia, eles não curtem nadinha se sentirem molhados então, como tudo na vida, começam a se policiar e os primeiros pedidos na hora certa começam a acontecer. Aqui foram apenas dois dias antes do grande início da vida escolar.

Conversei muito na escola e tivemos o apoio deles para esse desfralde, eu fazia minha parte e eles ofereciam muitas idas ao banheiro no período da tarde. Foi tudo ainda mais tranquilo por lá, um amigo motiva o outro, quando um mais “adiantado” no processo pede para usar o vaso acaba lembrando quem ainda está um passo atrás, parece mágica gente! Em duas semanas de aula não tivemos nenhum escape por lá e olhem, ela até fez algumas sonecas!!!

Como disse no início, já sou sim macaca véia nesse assunto mas vibro com a mesma alegria e sinto as mesmas inseguranças, cada filho é único! Mel estava realmente preparada para esse momento, já se incomodava com a fralda e nas férias já havíamos deixado-a sem fraldas na piscina, na casa da minha mãe e lá ela também já tinha um penico ( herança do Theo) e pra nossa surpresa, entre um mergulho e outro, ela abaixou o biquíni e fez um número dois. Tava na hora! Soube nesse momento.

Outra coisa que vale a pena lembrar é que o número dois parece ser mais fácil de “ser domado”, não tenho dados científicos – será que existem? – mas o número dois dos meus filhos sempre foram pro lugar certo primeiro.

Babi foi o desfralde mais fácil do mundo, já tirou as do dia e da noite and … eu trabalhava fora, participei pouco do processo, assim fica fácil mesmo! hehe!  O Theo até hoje se eu bobear tem escapes, se a brincadeira ou o game estiver animado demais, ele esquece de ir ao banheiro. Quando era bem pequeno tinha preguiça de chegar até o penico e fazia xixi em qualquer potinho, baldinho que estivesse no baú de brinquedos, onde passava boa parte do dia. Imagina que delícia você recolher brinquedos no final do dia e ter uma bomba dessas te esperando? Pois é!

Mel foi bem tranquila até aqui, vamos ver como será o desfralde noturno. Estou confiante! Tenho levantado duas vezes por noite para levá-la e ela tem feito mas ainda acho que a fralda amanhece muito cedo, não quero apressar as coisas e me estressar, acho que ainda temos um tempo para isso!

Ah, outra coisa que queria te contar é: Tirou a fralda uma vez…tirou! Não confunda a cabecinha dos pequenos colocando para andar no carro ou saídas e tals. Eu sempre soube disso mas confesso que na preguiça e correria do dia a dia acabei fazendo muito isso com o Theo e realmente acho que atrasa o processo. Na primeira semana de aula o Bruno precisou levar a Mel para Campinas e colocou a fralda por causa da cadeira do carro. No meio da estrada ela pediu pra fazer xixi e ele avisou que ela estava de fralda, que poderia fazer. Ela chorou e gritou até ele parar no acostamento, tirar a fralda e fazer a famosa “cadeirinha” com os braços pra ela fazer o xixi. Ou seja, ela não queria dar passos para trás e estava certíssima.

Depois dessa já deixamos um penico bem simples no carro e também andamos com tapetes “pet” para colocar na cadeira do carro. Sabe , aqueles tapetinhos para cachorro fazer xixi que você encontra em qualquer petshop.

 

desfralde

 

Por fim, nossos dias agora não tem mais fraldas envolvidas e sim muitas calcinhas fofas que compramos para dar aquele incentivo. Aliás, se eu puder te deixar um conselho para a hora do desfralde é: abuse do lúdico! Funciona demais com eles. Livros, brinquedos e tudo mais que envolvam o assunto são ótimas ferramentas para tornar esse processo mais fácil para todos nós.

Como contei no post do instagram ( me segue lá, @blogpetitninos ) mais cedo, agora voltamos a ouvir a frase : “Mãeeee, vem me limpar!”

blogpetitninos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...