Perigo: Kit Berço

 

Mel já está uma mocinha, ou seja, assuntos relacionados ao enxoval não são mais uma questão na minha vida.

Recentemente ganhamos um bebê novo na família, meu sobrinho Bernardo não tem nem um mês de vida e por isso voltei a rever alguns assuntos para auxiliar minha cunhada que é mãe de primeira viagem.

Passei algumas dicas baseadas em minhas experiências e como sou mãe há quase 17 anos podem imaginar quantas coisas novas surgiram como milagres e quantas coisas vimos cair em desuso, né?

Já tem um tempo que ouvimos falar por aí sobre os perigos do kit berço e sobre ideias para substituir esse item do enxoval dos bebês.
Eu soube disso mas confesso que não me inteirei do assunto na época por motivos de: eu não tinha um bebê !

Quando fui preparar a chegada dá Mel já encontrei muitas opções para substituir o kit berço, opções de novos produto, materiais e formatos.
Imagine 14 anos de diferença entre o primeiro enxoval e o segundo, sendo que o do Theo, feito 7 anos atrás, não teve kit berço porque o berço dele era de madeira mas com as laterais em tela. Não vi necessidade e simplesmente risquei o item da minha lista.

Sabia das novas recomendações sobre o uso do kit berço, dá polêmica da época e por estar vendo tantas novidades mas nunca pesquisei a fundo os reais motivos para indicação das mudanças.

A Sociedade Brasileira de Pediatria ( também a Sociedade Americana de Pediatria) não recomendam mais o uso desse acessório antes tão comum nas listas de enxovais.

O risco de sufocamento é o principal motivo. Como antes os protetores eram almofadas volumosas. cheias de detalhes e presas de diversas maneiras às grades dos berços o perigo do bebê acabar ficando com o rosto preso no protetor, não conseguir se virar ou desvirar.

O outro motivo é o risco do bebê conseguir se utilizar do kit berço para sair do berço. Aqui o risco principal é de queda! E estamos falando dos protetores com almofadas mais gordinhas e também do mais finos pois uma vez que ficam presos nas grades, fixos, podem ser um apoio perfeito para que eles tentem pular.

Existem modelos de protetores super finos, importados e ainda caros, que são feitos em malha bem fina e portanto eliminam os riscos citados. Ah também a opção de se usar um “ninho” durante os primeiros meses para proteger o bebê de cabeçadas e a que adotamos que é o uso dos rolinhos em substituição.

São peças bem mais baixas do que os protetores, feitos de espumas e que não são fixos. Eu gostei da ideia mas hoje provavelmente teria aderido somente ao uso do ninho no início pois já não usamos mais os rolinhos.

Ah, além do kit protetor de berço, também não são recomendados o travesseiros, coberta, bichos de pelúcia dentro do berço pois os riscos são os mesmos.

E você? Usou o kit berço de qual modelo? Conta aqui sua experiência!

Plena!!! Dicas simples para manter a casa arrumada e limpa

 

Eu juro que gostaria de dar conta de tudo mas isso é um sonho e quando o assunto é limpeza e arrumação de casa sabemos que é um trabalho que nunca acaba. É simples, quanto mais a gente faz mais precisa fazer. É cíclico, você acaba uma coisa e quando vai ver a primeira coisa que você fez já está precisando ser feita novamente…a bagunça e sujeira parecem estar sempre esperando por nós, não é mesmo?

Já tem um tempo que optei por não ter mais funcionária todos os dias e ficamos apenas com uma ajudante a cada 15 dias. Qualquer hora prometo que falo  mais sobre essa nossa decisão e no que acreditamos mas é uma opção de vida que envolveu comprometimento da nossa parte mas também nos trouxe muita liberdade, por mais estranho que possa parecer.

Recebo sempre pelas redes sociais comentários e perguntas sobre essa questão e as vezes acho engraçado o fato de não me associarem a uma dona de casa. a frase “você tem cara de madame não parece que faz serviço de casa” já me fez sorrir algumas vezes, achava um elogio e depois passou ame incomodar.

Esse estereótipo de que dona de casa tem que SÓ fazer isso, não tem outra opção, tem pouco dinheiro e nunca pode cuidar de si mesma tá tão embutido na nossa cabeça que eu já achei que me enxergarem como uma “não dona de casa” fosse mesmo um adjetivo.

Quanta bobagem, né? Dá pra ser linda, dá pra optar por fazer você mesmo os cuidados da sua casa, não precisa ser essa opção tomada por falta de caminhos. Dá pra ter a unha arrumada, buscar os filhos na escola, servir uma refeição de qualidade sem se matar.

O que não dá é pra ser muito crítica consigo mesmo e achar que vai ser super woman e fazer tudo no mesmo dia. Eu trabalho com prioridades, divido o trabalho em dias da semana, cada tarefa em um dia e em turnos de organização e limpeza entre Bruno e eu e, no final, tudo se encaixa quando junto algumas dicas bem práticas que nos facilitam o dia a dia e tenho certeza que vão te ajudar também.

São 6 dicas super simples e estão todas reunidas nesse vídeo aqui lá no meu canal do Youtube, aproveita e se inscreva no canal pois farei outros vídeos com dias como essas:

 

Espero que essas dicas facilitem o seu dia e adoraria saber as dicas de vocês! Vamos trocar ideias e deixar nossa rotina mais prática? Somos mulheres e mães modernas ! um beijo

 

 

Proteção é liberdade!

imagem: SHUTTERSTOCK

 

Já parou pra pensar sobre isso?

A gente quer proteger os filhos de tudo e, às vezes, esse nosso instinto pode garantir a vida deles. Para mim, esse é exatamente o caso da vacinação. A gente vacina porque nosso maior desejo é que as crianças cresçam e explorem o mundo da forma que quiserem!

E vacinação é um assunto muito sério. Apesar de tantas campanhas sobre o tema, na prática, vejo muita gente meio perdida. Primeiro porque há um mito de que tudo o que é particular no nosso país é melhor. Depois por causa dos grandes mitos que surgiram ao redor desse tema. Aposto que você já ouviu sobre as reações que algumas vacinas de campanha tiveram, ou sobre a relação de vacinas e autismo ou desenvolvimento de alergias.

No começo do mês, tive uma verdadeira aula com a pediatra Dra. Ana Escobar, a convite de GSK, para esclarecermos muitos desses pontos. Como o Theo tem asma, nunca bobeio com as vacinas dele. Então já aproveitei para tirar a maior dúvida de todas: está tudo bem fazer um mix entre o calendário de vacinação da rede pública e o calendário da rede privada? Faço sempre isso! Desde que as crianças nasceram, seguimos o calendário de vacinação do sistema público e fazemos as aplicações na rede particular de vacinas para Gripe e Meningite.

Assim como eu, sei que muitas pessoas seguem esse mesmo cronograma. Aqui a vacina de gripe é de extrema importância por conta dos problemas respiratórios do Theo (e, ao que tudo indica, Mel também tem asma! A gente não pode bobear!)

No encontro, a Dra. Ana esclareceu que a principal diferença entre os calendários é que, na rede pública, o foco é a erradicação de doenças e, portanto, proteção coletiva. Já na rede privada, o objetivo é a proteção indivíduo. Ainda assim, o nosso calendário brasileiro da rede pública é um dos melhores do mundo, com uma cobertura ampla e em constante mudança para se adaptar às necessidades.

E as reações das vacinas? A verdade é que vacinas de vírus vivo (atenuado) podem, sim, desencadear alguma reação, como se fosse uma versão beeeeeeem light da doença. Quanto ao caso de alguns tipo de vacinas desencadearem alergias (como APLV), a Dra. Ana nos esclareceu que é justamente o contrário! Vacinas são um chacoalhão no sistema imunológico, um estimulante. Sendo assim, é justamente o oposto! Quanto mais estímulos o sistema imunológico recebe, mais protegidos ficamos contra alergias. Achei isso tão interessante!

No mês passado, falou-se muito em Meningite, pois foi o mês de combate e informação sobre a doença. No sistema público, temos a cobertura de vacinas contra a Meninginte C, mas nós tomamos a Meningo B e a ACWY também, no particular. Não há problemas em tomar vacinas “repetidas” – então, se você já tomou a C no sistema público pode tranquilamente se proteger tomando ACWY, ok?

O mesmo vale para as campanhas! Está com dúvidas se tomou ou não alguma dose? Tome novamente!

É muito importante mantermos a carteirinha de vacinação em dia e mostrar para as crianças que proteção nunca é assunto para depois. Quero ressaltar aqui a importância de se proteger conta o HPV. Na rede pública temos doses disponíveis para MENINAS e MENINOS entre 9 e 14 anos! Não deixe de vacinar seu filho e filha! Por incrível que pareça, na sala da Babi, que tem 16 anos, só meninas tomaram. Nenhum menino! Isso é um erro, a incidência de câncer de pênis vem crescendo a cada ano, precisamos pensar nisso e proteger meninas e meninos!

Então, não se esqueça de deixar sempre as vacinas em dia e de consulta o site da Casa de Vacinas GSK, SBIM e SBP. Neles, está disponível o calendário completo de vacinação, que deixo aqui:

calendário vacinal 2018

 

Sempre debata com o seu pediatra qual o melhor esquema para que a cobertura seja a mais ampla e dentro das condições de cada um. Nós, adultos, também devemos receber reforços para Meningites, Hepatites, HPV, Gripe (manual) e reforço de tétano a cada 10 anos, principalmente.

Proteção é liberdade – e conhecimento também! Se informe, não deixe espaço para dúvidas, o assunto parece complexo, eu sei, mas quando a gente vai a fundo nas pesquisas desmistifica-se muita coisa!

O que ficou de mais importante para mim desse encontro foi que quem pode ampliar a cobertura e se proteger com as vacinas da rede publica contribui também, reduzindo as possibilidades de essas doenças chegarem até quem não pode tomar, seja por uma questão de saúde ( algumas vacinas não podem ser tomadas por grávidas e bebês com menos de 6 meses, por exemplo) ou mesmo, financeira. Quanto mais gente imune melhor!

Sobre a GSK: www.gsk.com.br

Dra Ana Escobar: www.draanaescobar.com.br

Sociedade Brasileira de Pediatria : www.sbp.com.br

 

blogpetitninos

Educar pelo exemplo: coerência!

Essa frase, pais precisam ser coerentes na educação de seus filhos, parece uma coisa bem óbvia. Falamos a todo tempo, parece que é senso comum, que todo mundo se comporta de fato dessa maneira. Que todos aplicamos na vida!

A gente é exemplo, o tempo todo para nossos filhos, eles espelham nosso comportamento.

E aí vamos para parte de educar filhos na prática. Sabemos que não é simples, basta você ter um filho para descobrir quanta coisa precisamos ensinar, sabemos ser o certo mas não praticamos!

Sou mãe há mais de década ( ai que coisa estranha! ) e conforme a Babi foi crescendo fui percebendo o quanto a gente cobra deles posturas e comportamentos corretos enquanto nós mesmos fazemos tudo ao contrário. Percebi que tem muito ruído nessa linha cruzada.

Falo de coisas bem corriqueiras como alimentação, por exemplo. Quanto porcaria você manda pra dentro depois que seu filho dorme?

Pois é, muitas de nós o pulamos nesse mesmo barco! hehe Mas calminha aê porque esse tipo de coisa é bem inocente, tá? Eu também faço e, além disso, ainda confisco lembrancinhas de aniversário pra comer escondido depois.

Percebem que muitas coisas que pregamos simplesmente não praticamos? Sabe, tem até o ditado: Faça o que falo e não o que faço. Em muitas situações no dia a dia a maternidade é regrada por esse ditado, a gente precisa ensinar o certo mesmo que a gente mesmo não siga por essa linha o tempo todo. Tudo normal até aqui, pode acreditar.

Hoje não quero falar desses pequenos desvios de comportamento materno porque realmente acredito que os olhos não veem o coração não sente e portanto criança não aprende!

Outra situação agora : Como limitar o tempo do seu filho na internet se muitas vezes ele te chamou e você, com a cara colada no celular, pediu para que ele esperasse ” só um minuto” ? Qual a prioridade que a criança vai entender que vale?

Acho que agora vou chegando mais próxima de onde quero. As crianças crescem e a nossa coerência precisa aumentar assim como a idade deles.

Já me vejo cruzando a linha entre a adolescência e a fase adulta da Babi, passaram-se os dilemas como a insegurança com o corpo, ser aceita no grupo de amigos, o primeiro beijo, as primeiras baladas e até o primeiro porre. Já passamos juntas por tudo isso.

Agora os assuntos são outros, tem a ver com futuro de verdade, a escolha da profissão, onde vai morar e o carro que vai precisar. Ah, a liberdade de ter um carro! Fico pensando se não fosse a nossa coerência em anos atrás perceber que não dava mais pra tomar um cervejinha só e voltar pra casa dirigindo depois de uma reunião entre amigos como fazíamos antes. Acho que muitos de vocês já fizeram isso também, só uma cerveja, né? Pois é, mas como eu teria tranquilidade em dar um carro na mão da minha filha se soubesse que ela também pensa assim? Daí entra a nossa coerência e espero que ela tenha absorvido bem essa questão pelo nosso exemplo.

Conforme ela foi crescendo fomos percebendo que certas coisas erradas que fazíamos e julgávamos inocente não poderiam mais acontecer, porque ela precisava aprender o que acreditamos ser o certo, então precisávamos ser coerentes. Se não rola beber e depois dirigir, TODO mundo sabe dos riscos então a gente precisa viver isso, de fato, e ela cresceu  vendo a gente ir a muitas festas e tomar muita cerveja sem álcool, ou um de nós ser o motorista da vez. Assim, com exemplo, sinto segurança no que ensinamos pra ela…pro Theo e agora, pra Mel também. Para os pequenos estamos ensinando isso ainda mais cedo.

Ser coerente em várias áreas da vida é o que devíamos buscar todos os dias, deveria ser nosso foco mas se você se observar vai ver que não é fácil. Falei o exemplo do beber e dirigir porque acho bem forte e explicativo mas serve para referências em muitas outras áreas. Que ótimo seria o mundo se todos fizessem o que pregam por aí, não é mesmo?

Também não somos os pais perfeitos, somos bem passíveis a eles inclusive, mas vejam, já percorremos um caminho e fomos aprendendo durante ele. Muito falamos da transformação da maternidade e paternidade, de como a gente renasce quando um filho nasce, né? Na parte romântica é bem por aí mas acho que a maior transformação de ter um filho é nos melhorar como ser humano.  Não só sermos melhores PARA eles, mas seremos melhores POR eles PARA O MUNDO TODO.

A medida que os filhos crescem a gente vai se dando conta de que se não vive realmente o que prega, fica difícil de ensinar, educar e principalmente, de se fazer admirar e respeitar.

Nesse processo de ir encontrando cada vez mais o caminho da coerência a medida que eles crescem vamos melhorando. Cada dia, cada ano ser mãe/pai nos torna melhor como ser humano e como cidadão! Olha que oportunidade completa temos para evoluir e fazer a diferença no mundo!

Já se pegou pensando nisso também?

blogpetitninos

 

Como escolhemos os nomes das crianças?

escolher nome dos filhos

Como escolhi os nomes dos meus filhos? Essa pergunta sempre me foi feita, acho que por curiosidade natural e também por serem nomes fortes. Bárbara, Theodoro e Amelie. Babi, Theo e Mel. Bárbara é o mais comum deles, Theodoro já existem muitos hoje em dia, depois de aparecer em muitas listas de tendências para nomes nos últimos anos e Amelie é o mais diferentão deles, muita gente me pergunta como se pronuncia, inclusive.

Fiz uma sequência de post para contar um pouco sobre a escolha, resumidamente, e contar o significado de casa nome.

siginificado nome Bárbara

Bárbara, não foi fácil chegar a esse nome. Primeiro porque eu tinha muita certeza que esperava um menino e nenhuma ultra me deu super100% de certeza no início, era muito provável ser menina mas eu tinha certeza que era menino, as ultras eram péssimas 17 anos atrás e ela passou boa parte da gestação sentada. Decorei o quarto com tema fundo do mar, verde e azul. Os nomes que eu tinha escolhido para meninos: Lucas e Vinicius. Pra mim era um ou outro, pro Bruno nenhum dos dois era legal. Tinha tanta certeza que combinei com Bruno que ele poderia escolher o nome se fosse menina, assim ele não opinaria na minha decisão! 😂 Dai ele me veio com várias opções mas não chegávamos a um consenso . Queríamos um nome exclusivo, não queria associar a ninguém que conhecíamos. Chegamos em Rebeca ( eu amava) e Luiza ( minha mãe amava) . Bruno não gostava de nenhum. Um dia com mais probabilidade de ser menina pela ultra ele sugeriu Barbara. Amei na mesma hora. Acrescentei um acento agudo pra dar um charme e já institui o apelido: Babi. O apelido pegou tanto que na escola ela sempre foi Babi. Virou Bibi por um tempo, meu afilhado Léo começou a chama-la assim quando era pequeno. Theo também a chamava assim quando começou a falar. Memel começou a tagarelar cedo e então, Babi virou Bibizi . Achei tão fofo que às vezes ainda usamos. Mas Bárbara é sempre Babi por aqui, um apelido delicado como ela é.

// Bárbara significa: selvagem guerreira, que luta pelo que acredita e persegue seus sonhos //

Quando li essa definição tive certeza que era ela soprando pra gente o nome que queria. Acredito muito nisso 🖤Por esses dias vou contar como escolhi e sobre cada um dos nomes do meu trio

significado nome Theodoro

Preciso lembrar que Babi seria filha única , até que … ops, ficamos grávidos pela segunda vez!🖤 Queria um nome forte pra combinar com Bárbara assim que soube que seria um menino. Óbvio que Bruno sugeriu colocar o nome dele, mas na na não 😂, eu queria um nome só do meu baby boy. Me encantei por Max. Problema na vida: tudo que é meu sempre teve que dar “match” e Max era um nome lindo mas que “não dava apelido “. Precisava de um apelido pra combinar com Babi. Sugeri Maximo, apelido Max, e ninguém curtiu ( nem me venham! Kkk ainda amo esse nome, quem sabe num quarto bebê, né? 🤗 ). Pensei em Teodoro mas ele estava lá no final da lista, tinha Bernardo no topo. Sem nome definido ainda, estávamos vendo fotos antigas na minha sogra e caiu no meu colo a foto de um homem alto e forte, era o avô do meu sogro – ou avô do pai do pai do meu sogro, enfim já não lembro – Theodore Breithaupt . Tinha que ser, né? Ele já tinha soprado pra gente o nome dele mas como eu não dei ouvidos ele jogou em mim ! Achei lindo, nome de um alemão forte e que poderíamos chamar de Theo. Minha mãe queria só Theo. Optei por “abrasileirar” para Theodoro porque o coitado teria que passar a vida explicando o nome e depois soletrar o sobrenome, que dó, Breithaupt parece nome de vírus! Na minha cabeça a grafia sem o H era bonita mas, então, li em um site que pela numerologia deixar o H o faria um menino mais calmo, gostei da ideia e deixei. Claro, nem preciso dizer que não funcionou! Kkkk

// Theodoro tem origem grega e significa Presente de Deus, Dádiva Divina //

Ele é! Foi mesmo um presente pra Babi que pedia um irmãO. Ela sempre falava que iria chegar um menino. Ele já chegou derretento todos nós quando abriu esses faróis na maternidade! Sério, nunca vi um RN com olho tão azul como eram os dele.

siginificado nome Amelie

Sempre achei que o próximo filho teria o mesmo sexo do último. Achei muito que o terceiro bebê era um menino, o que facilitaria minha vida na hora de decorar o quarto deles e de reaproveitar itens de enxoval. Mas pra quê facilitar, né vida? Intercala entre menino e menina pra ficar mais complis ! Assim que descobrimos que seriamos pais pela terceira vez fiquei com dois nomes na cabeça: Maximo e Martina, Max e Nina seriam os apelidos ( volta aí nos posts antes desse pra entender o “toc” com os apelidos, pra combinar tudo). Ninguém curtia. Quando soubemos que era menina fiquei com Martina e Melissa na cabeça. Babi falava muito em Amélie porque somos apaixonadas pelo filme “O fabuloso destino de Amélie poulain” mas no primeiro momento tive dúvida pela grafia difícil. Demoramos a decidir o nome, ela foi #Baby3 por um tempão por aqui e lá no  eu isntagram até que um apelido ganhou meu coração: Mel. Servia pra Amelie e pra Melissa. Quem bateu o martelo foi Bruno, na sugestão da Babi e tirado do filme que amo. Casou! Tirei o acento agudo, já sabem, sobrenome complicado e ela ainda tem uma grafia diferente ( um “e” que não se pronuncia ) . Por fim amei porque assim cada um tem uma frescura : Bárbara tem acento , Theodoro tem H e Amelie tem um “e”… tudo desnecessário 😂😂😂🙈! Já fiz as escolhas seguirem um padrão de loucura!

// Amelie tem origem alemã ou francesa, não sei ao certo, existe as duas possibilidades e significa mulher trabalhadora, ativa, parceira //

Ganhou meu coração! no final das contas tem muitas coincidências nessa escolha sabiam? A Madrinha se chama Débora que significa Abelha ( abelha e Mel…ela quer Amelie pra ela! ) . O filme inspiração foi lançado em 2001, ano que a Babi nasceu. Assistindo outro dia pela milionésima vez notamos que a primeira frase começa com : “Em 3 de setembro…” , pois é ! Dia que ela escolheu pra chegar nesse mundo. Sabe o que tudo isso quer dizer? Nada, claro, mas deixa a história mais romântica!

 

E você? Como escolheu o nome dos seus filhos? Tem alguma história legal envolvida nesse momento??

blogpetitninos

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...